Blog
Faculdades BWS

Curso de fios de sustentação permite oferecer rejuvenescimento sem cirurgia

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no linkedin
Compartilhe
Compartilhar no email
Email

A alta demanda por serviços de estética faz com que o mercado e as tecnologias se renovem constantemente. Por isso mesmo, a procura por profissionais capacitados também tende a crescer. Muitos médicos podem se beneficiar do curso de fios de sustentação, já que o método minimamente invasivo vem chamando a atenção do público.

A alta procura tornou a técnica famosa entre pacientes e profissionais. No entanto, os médicos continuam sendo os mais recomendados para lidar com esse tipo de procedimento.

Você já ouviu falar nessa técnica? Deseja entender mais sobre o assunto? Então, continue a leitura: vamos entender mais sobre o procedimento de fios de sustentação — especificamente com a técnica de polidioxanona (PDO).

 

O que são fios de sustentação?

É uma técnica de suspensão da pele feita com fios absorvíveis pelo organismo. Ela funciona como um lifting, porque os fios são implantados na derme do rosto, posicionado em locais estratégicos.

Além de oferecerem ao usuário um aspecto mais jovial, os fios de sustentação também estimulam a produção de colágeno por meio do processo de cicatrização ao redor deles.

A absorção dos fios dura de 6 a 8 meses. No entanto, a fibrose gerada pela cicatrização ainda mantém o resultado desejado.

Apesar de a técnica ser nova, os fios de PDO já são bem conhecidos da classe médica. Como são absorvíveis, costumam ser utilizados para suturas em cirurgias internas. Já as versões para estética podem ter garras, formato espiral, estrutura lisa e outras características. Os principais modelos são:

  • mono: apenas um único filamento e efeito de tensão imediato. Por ser mais longo e grosso, é absorvido com mais lentidão;
  • twin/triple: formado por dois ou três filamentos trançados e com a mesma espessura de um mono. Os fios se separam na derme e provocam um processo de cicatrização maior, com isso aumenta ainda mais a produção de colágeno;
  • screw/twin screw: o fio (ou fios) de PDO fica enrolado na agulha. A intenção é que, ao ser depositado na pele, ele volte para a posição inicial (de mola);
  • COG: filamento com maior calibre e superfície serrilhada. Ideal para ser o suporte que diminui a distância entre o tecido mole e a pele;
  • thread filler: suturas grossas entrelaçadas em fios condutores. Perfeito para preencher áreas que precisam de mais volume.

 

Como é feito o processo?

Após uma análise da região, o profissional decide qual fio será usado (pode ser mais de um tipo) e quais são as necessidades da pele. Depois, com agulhas de acupuntura, o médico insere os fios logo abaixo da pele da região desejada.

Caso o intuito seja diminuir a flacidez, o profissional também fará movimentos para tracionar a pele, que sobe instantaneamente.

No entanto, se o objetivo for apenas o de estimular a produção de colágeno, os fios são inseridos em diversas direções e formam uma rede subcutânea.

O procedimento dura de 30 a 40 minutos e é feito com anestesia local. Os fios não só podem como devem ser combinados a outros tratamentos para obter melhor resultado.

 

Como é o curso de fios de sustentação da BWS?

O curso de fios de sustentação deve misturar teoria e prática. Portanto, os profissionais estudam diversos temas, como:

  • desenvolvimento da técnica de fios de sustentação;
  • indicações e contraindicações;
  • legislação e competências;
  • prática hands on;
  • anatomia facial;
  • biossegurança;
  • tipos de fios;

 

Ao contrário do que se possa imaginar, o curso de fios de sustentação é bem rápido: em 1 ou 2 dias de treinamento intensivo, você consegue pegar a prática porque lida com modelos reais durante o tratamento.

 

Quais as vantagens dos fios de sustentação?

Enquanto numa cirurgia é necessário remover, recortar e suturar a pele, os fios de sustentação formam um procedimento minimamente invasivo. Isso porque o médico só terá a necessidade de inserir os fios na pele com o auxílio de uma agulha ou, no máximo, fazer a tração entre músculo e pele.

Além disso, o retorno às atividades diárias é imediato. Os pontos de anestesia podem deixar alguns hematomas, que podem ser facilmente disfarçados com maquiagem. Porém, é preciso evitar esportes de impacto, que possam atingir o rosto.

 

Aprofunde os seus conhecimentos neste procedimento que vem crescendo nos últimos anos. Faça o workshop médico avançado em fios de sustentação das Faculdades BWS.

 

Faculdades BWS.

Últimas
NOTÍCIAS

Sugestão de leitura para esta categoria de notícias:

Dúvidas e mais
INFORMAÇÕES

Entre em contato conosco através dos números abaixo ou do formulário ao lado.

    Nosso site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com isto. Conheça nossa Política de Privacidade.