Blog
Faculdades BWS

Hormônio do crescimento contra envelhecimento faz mal

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no linkedin
Compartilhe
Compartilhar no email
Email

AimBeleza – Página Web

 

Especialista fala sobre o uso indiscriminado da substância

 

Nos últimos tempos, tem sido vendida a ideia de que hormônio de crescimento ajuda a rejuvenescer e evitar o envelhecimento. Mas isso não passa de fraude. O endocrinologista e presidente da Sociedade Brasileira de Antienvelhecimento, Wilmar Jorge Accursio, alerta: rejuvenescimento não existe e hormônio de crescimento para não envelhecer, mas isso é um absurdo’’, diz. ‘’Além de desencadear problemas como diabetes mellitus, hipertensão arterial e artroses, pode acelerar o desenvolvimento de tumores latentes. ’’

Segundo o especialista, a confusão começou porque se descobriu que alguns pacientes com deficiência do hormônio têm um envelhecimento mais rápido e acentuado. Esses realmente se beneficiam com sua reposição, feita por meio de injeções subcutâneas dosadas que custam de R$ 300,00 a mil reais por mês. Mas os sinais e sintomas que aparecem pela falta parcial ou total de hormônio de crescimento, chamados de somatopausa – de somatos (corpo) e trófico (aquele que nutre) -, são os mesmos do envelhecimento. Diminuição da qualidade de vida, depressão e ansiedade, declínio da vitalidade física e psicológica, instabilidade emocional, aumento da gordura corporal e diminuição de massa óssea, muscular e da pele acometem não só os que têm como também os que não têm a deficiência do hormônio de crescimento. E, se os que têm taxas normais fizerem a reposição, além de não evitarem envelhecimento, estarão sujeitos a uma série de riscos. ‘’Hoje em dia, os médicos só estão autorizados a tratar pacientes com deficiência comprovada do hormônio de crescimento’’, explica. ‘’No futuro, talvez saibamos diagnosticar deficiências parciais e um número maior de pessoas será beneficiado. Mas, por enquanto, só vale a pena tratar as que tenham necessidade. ’’

Por sua ação anabolizante em músculos, o hormônio de crescimento também tem sido mal utilizado nas academias. ‘’ Ninguém sabe ao certo quais serão as consequências disso, mas com certeza elas vão aparecer’’, alerta Accursio. Lembrando ainda que o único meio de se administrar hormônio de crescimento é por injeção. ‘’Alguns pacientes dizem que estão recebendo o hormônio por via oral. Isso é impossível, eles estão sendo enganados. ‘’

Para descobrir se a pessoa precisa de reposição, é preciso submetê-la a uma avaliação. O hormônio de crescimento dura no máximo um minuto na circulação após sua secreção, mas uma outra substância – a Somatomedina C – dura mais tempo e pode ser dosada. Quando alguém tem queda dessa substância, além dos sintomas da falta de hormônio de crescimento, o endocrinologista pode pedir um teste mais específico para determinar se há realmente ausência ou não dele.

O hormônio de crescimento tem esse nome por ser responsável pelo crescimento dos seres humanos. Produzido na hipófise, principalmente à noite, é um dos responsáveis por retardar a morte das células e tem nos adultos, entre outras funções, a de manter o bom funcionamento cerebral, a espessura adequada da pele e a capacidade da derme de produzir colágeno, fibras elásticas e substâncias hidratantes. É essencial também contra a osteoporose e ao bom funcionamento do sistema imunológico.

Parte da perda muscular no envelhecimento ocorre pela diminuição do hormônio de crescimento. Sua produção começa a cair aos 20 anos de idade e se acentua a partir dos 50. Não é uma doença, mas uma evolução natural da fisiologia. Aproximadamente metade das pessoas com mais de 65 anos apresenta deficiência parcial ou total de hormônio de crescimento. Esta diminuição não ocorre por deficiência da hipófise, mas por uma redução dos estímulos para a produção do hormônio e porque sua vida média diminui com o passar dos anos.

 

Consultoria

Dr. Wilmar Accursio

Endocrinologista e nutrologista, Diretor do Centro de Estudos de Pós-Graduação da Sociedade Brasileira de Medicina Estética e Presidente da Sociedade Brasileira de Antienvelhecimento (SOBRAE).

 

Tags

Últimas
NOTÍCIAS

Sugestão de leitura para esta categoria de notícias:

Dúvidas e mais
INFORMAÇÕES

Entre em contato conosco através dos números abaixo ou do formulário ao lado.

    Nosso site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com isto. Conheça nossa Política de Privacidade.