Blog Faculdades BWS

EndocrinologiaNutrologiaNutrologia Esportiva

Dr. Wilmar Accursio participa com Marcos Pasquim sobre mudanças no corpo: “Aos 45 senti queda de resistência”

Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Compartilhe
Compartilhar no linkedin
Compartilhe
Compartilhar no email
Email
Marcos Pasquim sobre mudanças no corpo: "Aos 45 senti queda de resistência”

O ator Marcos Pasquim, 51, disse que sentiu uma queda na resistência do seu corpo a partir dos 45 anos, durante o Conexão VivaBem desta sexta-feira (17). Ele contou que sempre se preocupou com a saúde e praticou diversos esportes, mas que nessa idade o cansaço se tornou mais frequente.

“Desde os meus 16 anos fazia vôlei, esportes coletivos e não parei desde então. Sempre malhei, procurei dormir e comer bem. Claro que na adolescência a gente peca um pouco, mas quando a gente vai fazer 25, 30 ou 35 anos começa a se preocupar. Mas eu senti uma queda de resistência mesmo aos 45 anos. A partir dessa idade percebi que se fosse fazer uma corrida, por exemplo, ia me cansar mais rápido”, disse, durante a conversa com o psiquiatra Jairo Bouer.

Além de Pasquim, o nutrólogo e endocrinologista Wilmar Accursio também participou do episódio. O presidente da Sociedade Brasileira para o Estudo do Envelhecimento disse que a sensação do ator é comum. “Essa mudança é bem evidente aos 40 anos. É nessa idade que as pessoas começam a pensar que tem que se cuidar para o resto da vida. Em algumas mulheres é normal começar até mais cedo, com 35 anos, e elas têm razão”, disse.

Segundo Accursio, apesar de essas serem datas limites importantes para começar a se cuidar, o ideal é que a preocupação com a longevidade comece o mais cedo possível, desde que com equilíbrio. “Não precisa ficar neurótico e morrer de estresse, e sim ir se cuidando da melhor maneira possível, aproveitando a vida também”.

O cuidado, no caso, é atentar-se para alimentação, sono, prática regular de atividade física, medicina preventiva. “É uma prevenção não só no sentido de descobrir logo uma doença já instalada, mas de mudar hábitos de vida para que a doença não se instale”, explica o médico. “Não é questão de não morrer, é questão de qualidade de vida, de vitalidade. A ideia que eu gosto é de morrer jovem, mas o mais tarde possível”.

Pasquim disse que, se houver esse cuidado, terá mais vitalidade no futuro. O ator contou que não tem medo de envelhecer ou de ter uma idade específica. “Minha preocupação é me cuidar agora. Eu sei que se eu me cuidar agora, lá na frente vou ter um ganho. Então, não me preocupo com lá na frente, me cuido agora”, disse.

 

Fonte – Viva Bem/UOL

Últimas

Notícias

Sugestão de leitura para esta categoria de notícias:

Dúvidas e mais

INFORMAÇÕES

Entre em contato conosco através dos números abaixo ou do formulário ao lado.

(11) 3111-2048

0800-7772048